10/25/2005

Em silêncio

Posso apenas falar por mim, mas acho que sei a razão para tanto silêncio no blog da Lusofin...

Pelo menos para mim, é penoso adicionar qualquer pensamento ou ídeia quando leio a palavra "racismo" no écran. Existem assuntos que as pessoas não gostam de discutir. Quem me conhece sabe que eu sempre digo que não gosto de discutir política, religião ou futebol, embora, no entanto acabe sempre por o fazer.

Será a Lusofin o espaço certo para o fazer?
O António gosta de criar polémica (talvez para fomentar a discussão) mas certos assuntos são sempre delicados - mais a mais quando se mora na Finlândia.

Eu pessoalmente nunca tive razões de queixa - e não ouço muitas histórias. Normalmente das histórias que ouvimos, fica o princípio por contar... eu não sou racista, mas vejo a atitude provocante de muitos estrangeiros (felizmente nenhum que eu conheça...) que pode patrocinar estes problemas.

...mas digo de novo... será que vale a pena falar sobre isso aqui?
Ao menos a Finlândia faz um esforço para integrar os seus imigrantes. O que faz Portugal?

1 Comments:

Blogger aNtonio said...

Estás enganado. Quando eu vi aquele texto delicioso pensei apenas em reproduzi-lo aqui, apenas porque achei que as pessoas iam gostar de ver alguem reverter o preconceito racial para seu proprio beneficio (ainda que de uma forma muito pouco conforme à lei - ver Rent seeking na wikipedia). Para polemizar escrevi aqui outros textos (por exemplo aquele dos impostos), lamentavelmente sem grandes resultados:(
Mais, tanto na LusoFin como noutros foruns as discussões sobre racismos foram das mais exaltadas, o que raramente é salutar e pouco me agrada.

Numa coisa és capaz de ter razão, aquele texto pode muito bem ter imposto o silêncio no blog. Porque as palavras de circunstancia que escolhi para o apresentar o texto deixam entender que todos nós estrangeiros temos de nos haver com racismo e descriminação. Voltando atrás verifico que essa escolha não é de modo algum inocente, a mensagem que eu projectei já existia no meu subconsciente, e provavelmente existe no subconsciente de muitos dos leitores que já viveram situações dessas - e talvez nao seja muito agradável revisitar essas situações ou pensar nisso. É possível que estudantes de erasmus, que se dividem entre entre festas e orgias, e profissionais de IT que vivem entre Kauraportti e Westend ou Haukilahti, ou Hervanta e a sua casa, não tenham muitas oportunidades de se dar conta da discriminação. A mensagem subliminar dos meus comentários na posta é a de que cada um decide a forma como enfrenta o racismo ou xenefobia, e nunca é demais repetir, existem em todo o lado, não são um excluvivo dos estrangeiros.


Já quanto a escreveres "Ao menos a Finlândia faz um esforço para integrar os seus imigrantes. O que faz Portugal?", depois sou eu que polemizo...:)

10/25/2005 12:06:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home