11/28/2005

Diferentes conceitos de "serviço ao cliente"

No outro dia fui finalmente ver o Sello. Às tantas, olha, vamos dar uma vista de olhos à Anttila. Avistámos uma caixinha-estante que ainda por cima marcavam como "promoção especial", e como até daria jeito em casa, levá-mo-la.
Mas ao pagar, em vez dos 10€ da promoção, queriam 22€.
Dissémos à menina que devia ter havido um engano, ela lá chamou a colega, a colega foi connosco à ala respectiva, olhou... e disse assim:
"Ah, mas isto não é referente a este produto [imediatamente abaixo do lembrete da promoção], mas a estoutro [um metro à esquerda, escondido atrás de outros produtos]"!
Disse-lhe eu "Ó menina, pronto, chame lá o encarregado aqui da loja", e ela "Bem, só indo lá acima, ao Atendimento ao Cliente...".
E fomos, que eu até nem tinha nada que fazer...
Depois de novamente explicar o sucedido, lá vem uma bamboleante figura feminina, cabelo escuro às madeixas loiras a condizer com as riscas da camisa, sorriso de plástico, dizendo a célebre frase "Então, o que é que se passa?". O que veio a seguir é, no mínimo, risível...

Bom, ficámos a saber, entre outras coisas, que na Anttila do Sello:
- Não têm tempo para verificar preços de artigos (olha lá!);
- Metem descrições de produtos que servem para artigos semelhante, para adiantar serviço (nem sequer um mísero "grande" ou "pequeno" para tirar dúvidas);
- Desconfiam dos clientes, dizendo abertamente que se os produtos estavam fora do sítio (no caso, todos), a culpa é com certeza de alguém que se diverte a desorganizar prateleiras...

Ou seja, uma gajo faz o trabalho por eles, e ainda é enxovalhado.
Com a breca, não é por 2 contos e 400 que o gato vai às filhoses, mas se está marcado é para cumprir! Ou não...

Sim, obviamente, acabei por comprar uma caixa-estante num outro estabelecimento!
Faz apenas parte da natureza humana!

Numa outra ocasião, no Alepa aqui do sítio, comprámos um boião de molho exótico. Ao chegar a casa, notámos que não estava hermeticamente fechado. O vácuo fora violado! Paciência!
Deixámos um e-correio a relatar o caso, mais por descargo de consciência. O mais certo era dizerem "tudo bem, mas como podemos saber se não foi você mesmo a abri-lo?", digo eu.
Nem por sombras me passaria pela cabeça que me enviariam, passada uma semana, um cartão brinde de valor bem superior ao do boião, com infindos agradecimentos por termos detectado um problema que passara despercebido no controlo de qualidade!
Assim, um tipo até tem gosto em ajudar! Isto sim, é serviço de qualidade!

9 Comments:

Blogger aNtonio said...

O Sello é feito à medida dos seus clientes:)
Qd abreu corri o sitio de cima a baixo à procura de uma maquina de cafe expresso Antilla, Expert, mustaporssi, onoff nada, nem para amostra.. havia uma foleira no claus ohlsen.
Na baixa encontrei uma selecção delas e comprei esta Krups na onoff de kamppi.

11/29/2005 11:47:00 da manhã  
Blogger aNtonio said...

Um dia o director de mkt da Left FOOT (sapatos feitos por medida) explicou, numa aula, que se o cliente quiser trocar o sapato - sem motivo aparente, o mandam dar uma volta. Isto na Finlandia. Se for no Japão tem de trocar, o cliente nao regressaria se perdesse a face. Uma questao cultural.

11/29/2005 11:50:00 da manhã  
Blogger João Alferes said...

Eu tb já tenho a minha dose de histórias com o Antilla. Deve ter um dos piores serviços da Finlândia...

Uma vez fui lá, pediram-me os documentos na altura de pagar (até aqui tudo normal, embora não tivessem pedido a mais ninguém à minha frente...). Acreditam que a rapariga ao tomar nota do meu nº de contribuinte, também escreveu de que país eu era?? O que é que isso lhes interessa? Ou dinheiro das pessoas oriundas de alguns países vale mais do que as oriundas de outros? :)

Eu cá quando compro no Antilla já não espero por serviço. É um bocado como no Gigantti e mesmo esses às vezes tentam :)

11/29/2005 06:18:00 da tarde  
Blogger aNtonio said...

Como e que querias que ela fizesse corresponder o teu numero contribuinte à tua pessoa sem saber de que pais eras? nao existe um codigo PT;), pelo que se ela nao fizesse tb escusava de te pedir o cartao.

E as outras pessoas gastaram mais de 50 euros? Como tu nunca es vitima de racismo, so pode ser por causa do teu aspecto, digamos, alternativo :)

11/29/2005 06:30:00 da tarde  
Blogger João Alferes said...

Quando eu disse número de contribuinte, queria óbviamente dizer número da segurança social finlandesa (o tal número mágico que diz tudo sobre a nossa pessoa...).

...e as outras pessoas de certo gastaram mais de €50 (como disse, a isso já nem ligo). O meu aspecto "alternativo" só se quizeres dizer "mais mouro", ou tb achas que o dinheiro das pessoas bem vestidas vale mais? Isso é o típico pensamento português de que as pessoas têem que se vestir a rigor para ir às compras. Uma vez um taxista em PT comentava comigo que apanhava as raparigas na discoteca "Kapital" (todas muito bem vestidas) e ía entregá-las ao bairro da lata. Óbviamente gastavam todo o dinheiro que tinham em roupas porque isso é o que lhes permite integrar-se na ostentatória sociedade portuguesa... ;)

...felizmente estamos na Finlândia, e o meu visual não é diferente do do finlandês médio da minha idade - excluindo, claro está, as minhas raízes "do sul".

Continuo a não perceber é que como eu tendo posto um chorrilho de documentos finlandeses em cima do balcão o facto de eu ser português, marroquino ou hindu lhe interessa para alguma coisa - a minha carta de condução até é das novas europeias... :)

11/29/2005 09:06:00 da tarde  
Blogger aNtonio said...

De acordo com as normas, quando se paga com cartao de credito (e de debito, tb?) quantias superiores a 50 euros, quem recebe deve confirmar a identidade de quem paga. Por vezes relaxam as regras, seja com base numa avaliação privada de quem paga (esta avozinha so enganava o marido), contacto ulterior (eu so queria poder inserir esta palavra num texto meu), um risco calculado ou laxismo... nunca saberemos porque ela te pediu ID a ti e nao o tera feito a outros ou se é sistematico. Infelizmente o teu cabelo longo, a tua lingua estrangeira (?) e a tua tez moura podem accionar um qualquer alarme na cabecinha de quaisquer zelosas funcionarias...

Se tu lhe deste o kela-kortti para a mao ela nao tinha nada que pedir e anotar a nacionalidade, ou e estupida ou nao estava no trabalho há muito tempo..

11/30/2005 01:00:00 da manhã  
Blogger João Alferes said...

Estás finalmente a começar a compreender o que eu disse em todos os meus posts, mas ainda assim vou repetir mais uma vez... o facto de ela me pedir a identificação NÃO ME CHATEIA. Tomar nota da minha nacionalidade depois de ter o meu número da Kela e verificar que eu tenho uma carta europeia... isso já sim.
Mais uma vez, os maus da fita têem o cabelo comprido nos filmes de hollywood. Na vida real normalmente vestem roupas caras e muitas vezes até são avózinhas... ;)

O que me chateou é o facto de não encontrar justificação para a anotação da nacionalidade - com o número da Kela tem isso e muito mais.

Posso-te dizer que NUNCA ninguém anotou a minha nacionalidade em mais nenhum lugar desde que estou na Finlândia. Quando ela escreveu "PORTUGAL" foi como se estivesse a sublinhar "ESTRANGEIRO".
Não gosto, pronto. :)

11/30/2005 08:07:00 da manhã  
Blogger aNtonio said...

meu caro, quando existe falha na comunicação há, normalmente, duas causas usuais: falha na emissão ou na recepção. Deixo para ti essa discussao:)

Eu tentei explicar porque ela pode pedir ID nuns casos e noutros nao. Ela deveria pedir sempre, paragrafo ( >50 €).

Sei de quem foi mal recebido na secçao de souvenires do stockmanns na baixa, isso sim e erro crasso! Assim que ela percebeu que eles eram "europeus UE" (eram dois e falavam entre si indignados) a coisa mudou.

11/30/2005 11:02:00 da manhã  
Blogger aNtonio said...

Apdeite:

se te serve de consolação a patroa diz que recebe tratamento diferente consoante o casaco que vista. Quando ela sai com o casaco benetton verde recebe pior tratamento do que normalmente. Talvez seja a côr e o estilo do casaco que surjam associados à malta alternativa/colorida ;)))

12/08/2005 11:28:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home